quinta-feira, julho 02, 2015

Ego, estúpido ego

Antigamente as pessoas faziam as coisas e, posteriormente, levavam os louros, se louros tivessem. Hoje invertemos as ordens: primeiro arrotamos pra depois comer. 

Por que?  

terça-feira, junho 23, 2015

Sobre o não São João

É estranho demais hoje ser uma noite comum, uma terça-feira qualquer onde todos dormem sobrios e sem cheiro forte de fumaça entranhado nos cabelos. Noite que não antecede um feriado longo e cheio de peido de véa, rojão e aliada numa sacola prontos pra fazerem zuada por todos os cantos. Hoje não tem cachorro se mijando de medo com tantos fogos no céu. Hoje não tem um céu limpo, limpíssimo e fumacinha saindo da boca enquanto espera o milho assado assar. Hoje não tem quadrilhas enormes, com marcador, pintinhas na cara, dente pintado de preto, rainha do milho, noiva, noivo e galope. Hoje não tem sequer um pé de serra vagabundo tocando na esquina, que dirá em todas as esquinas e arredores. Também não tem barraquinhas enfeitadas com uma infinidade de comidas típicas pelas ruas. Trajes típicos à venda nos sinais de trânsito para os retardatários, também não tem. E nem a dúvida cruel sobre em que festa ir, se fico ou se vou para o interior. Se Aldeia ou se Olinda.
Hoje não tem aquela euforia no peito de tanta alegria que essa noite traz. Hoje é um dia estéril por aqui, esquisito sempre e não tem Luiz Gonzaga tocando no Spotify que dê jeito.

segunda-feira, maio 04, 2015

7h30

é tarefa dificil sair da cama quentinha para o chão frio de manhã tão cedinho. 

você ali, com a pele mais lisa e alva do que todo o restante das horas. os lábios entre-abertos, por vezes com pedacinho do dente graúdo às vistas. e meu tapa olhos fazendo o papel de cortina. levanto devagar pra não te acordar mas te dou um cheiro pra você saber de mim. e o cheiro é retribuido como num sonho, vagaroso. penso que é a parte mais dificil do dia, te deixar ali. correr talvez fosse o mais seguro, escapar, mentalizar qualquer outra coisa. mas é justamente quando você, astuto, coloca apenas um olhinho na beira do
tapa olho. apenas um olhinho pra fora, quase aberto, quase fechado, mirando o restante do meu mundo inteiro e, minguando ali, minha única chance de não me atrasar.

sexta-feira, abril 03, 2015

bem aqui em mim

olhei prum lado, olhei para o outro, olhei pra você, olhei pra dentro: eu nunca poderia não estar com você.

terça-feira, março 31, 2015

No lugar

Arrumar em miudezas meu quarto me dá sempre a impressão de tá arrumando também a vida. Como se a cada parte do cômodo eu colocasse no lugar uma ideia antes vaga, mesmo que, na prática, tudo isso não passe de gavetas, caixas, pedaços de chão e de móveis. E de muitas fotografias.

quinta-feira, fevereiro 26, 2015

Das incongruências nos relacionamentos

Quando o namoro é recente, novinho em folha, com gosto de mistério e paixão a flor da pele, a gente quer se convencer - e pior - convencer ao mundo que apesar de verde ele já é todo maduro, é algo que merece a fé e o respeito de um relacionamento antigo. Sentimos necessidade de antecipar coisas, situações e, avalie, até declarações. O pouco tempo é lembrado, exposto e reafirmado como uma longa trajetória.
Quando o caso é o oposto: um relacionamento antigo, de anos, concreto, cheio de falhas ja decretadas e companheirismos abraçados, um amor talvez seguro (isso existe?), humano e maduro, passamos a sentir necessidade do contrário: convencer a gente - e o pior - a todo o mundo, que apesar de antigo ele é novinho em folha, começou agora, tá cheio de gás e pronto pra mais uma nova etapa. Que o tempo voou.
E quem é que entende a gente?

terça-feira, fevereiro 24, 2015

É tudo tão não concreto

Por muito tempo vivi uma vida bitolada. Não nas cores das roupas ou nas danças ou nos gostos, mas no pensamento - o que torna tudo mais grave. Não sei se por uma criação militar ou se por um senso de justiça que sempre me acompanhou desde pequena, mas o cinza não fazia parte da minha paleta de cor. Era preto ou era branco. Era tudo definitivo demais. E foi assim até quase agora. Os parênteses não entravam na minha cota, as nuanças só serviam na poesia. Na vida real era tudo concreto: as amizades eram para sempre. Os amores eram para sempre. As derrotas eram definitivas, sem chances de retorno. Podia-se, no máximo, renascer em um outro formato, mas uma vez derrotado nunca voltaria pelo mesmo corpo. As vitórias pareciam também eternas. 

Ai me pergunto: por onde andei durante todo esse tempo em que acreditei piamente que qualquer ação, na prática, era definitiva? Pior, como consegui viver por tantos anos assim sem perceber que tava errado ou no mínimo esquisito? Quantas coisas devo ter perdido ou ganhado na marra com esse pensamento? É doido pensar isso, mas talvez tenha sido meu pior defeito. Engraçado é que o start pra essa questão surgiu durante esse carnaval e, em tão pouquinhos dias, todas as minhas regras de tantos anos foram quebradas ladeira pós ladeira. E em uma semana eu não me vi mais na outra Carlinha que pegou o avião no Galeão, quase perdendo o voo por conta de um transito infeliz. Que bom que não perdi o voo. Talvez mais por essa questão toda do que pelo próprio frevo. 

Gente que não existia mais pra mim "em definitivo" e que foi reencontrada como se nunca tivesse saído dali. Gente que nunca parecia que sairia dali e saiu de mansinho, sambando miudinho. Gente que saiu "pra sempre" e que achei que "pra sempre" doeria. E nem doeu. Fez nem cosquinha, tão esquisito. Gente que tava muito mais linda do que parecia possivel ser. Gente que conheço desde sempre e que a cada carnaval tem um brilho mais forte no olhar. Gente que consegue, de algum modo, chegar ainda mais junto do que conseguiu durante todos esses anos. Gente que não era alheia e se tornou. Gente que era esquisita e se ajeitou. Um carnaval que sempre foi o melhor do mundo e esse ano se tornou algo além disso. Não só pelas ladeiras. Ou pelos metais. Ou pelas purpurinas, mas por todo o entorno e, principalmente, por tudo aqui dentro, mansinho, caminhando, observando, aprendendo e se avaliando, entre um axé e um abraço apertado.

Tomar consciência de que nada nessa vida é definitivo - para o bem ou para o mal - faz com que as possibilidades mundanas se tornem mais suaves, menos dolorosas ou carregadas de culpa. E assim, de algum modo, os caminhos se mostram mais abertos. E tudo parece diferente mesmo estando igualzinho, só por uma questão de consciência. 

É já que é tudo tão não concreto que tal, então, deixar em aberto?